A vingança

Pedaço de mim arrancado

deixou-me na carne viva

a alma morta. Sem vida.

O sangue jorra amargo.

Ninguém cuidou do feto

torturaram-no a fogo e ferro

largaram-no sem essência

do labirinto da existência

deixado ali pra morrer

mais um corpo sem um ser

vai renascer sem lógica

como a ave mitológica

teu ciclo de dor me amarra

pelo menos não sou imortal

no dia do juízo do final

eu vou rir na tua cara.

“Senhor escreve torto.”

Robson Ribeiro

Anúncios

2 Comentários

Arquivado em Poesia

2 Respostas para “A vingança

  1. MarceloPai

    Neo-modernisno no sangue dos ribeiros????
    huuummmmmm
    leia esse:
    …Certo por linhas tortas?

    Vidas semeadas em horizontes
    Célicos sem dono…
    Passos dados por pernas difusas,…
    Fenecidas e centrípetas
    Malogro fadário…

    Seguro por linhas tortas?
    Papiros evasivos…
    __Quando se deu a gênese do caderno de caligrafia?

    “Diferente ter sido; bem que poderia…”

    Marcelo ShytaraLira
    Sampa – foda-se quando…!

  2. puta merda. q língua é essa? ainda bem q já existem dicionários online, pq procurar cada palavra da sua poesia na forma tradicional seria impraticável!
    gostei dessa!

    eu nem sei o q é neo-modernismo hahaha

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s